Pacote do Hotel Urbano vale a pena?

Olá viajantes, tudo bem?

Hoje vou contar para vocês minha primeira experiência viajando de “pacote”. Eu confesso que tenho os dois pés atrás com viagens empacotadas, engessadas e coisas do gênero. Eu sempre escolhi meus destinos por conta própria, contrato agências apenas para emissão das passagens aéreas e o restante eu mesma escolho, reservo e faço por minha conta.

Mas, como sempre estou disposta a ter novas experiências, pela primeira vez eu arrisquei comprar um pacote promocional de voo + hospedagens e resolvi dividir com vocês os sabores e dissabores dessa escolha.

Alguns dados relevantes:

Destino: Patagônia Argentina (Ushuaia e El Calafate) – clique aqui para ver este pacote!

Comprado em: setembro de 2017

Viajado em: abril de 2018

Valor pago: R$5.542 o casal

Duração: 8 noites

Cidades: 2 noites em Buenos Aires (uma na ida e outra na volta), 3 noites em El Calafate, 3 noites em Ushuaia

Saída / Chegada: Aeroporto de Guarulhos

Site de viagens: Hotel Urbano

 

#partiuArgentina

O começo da história

Fazia tempo que eu vinha namorando alguns pacotes no app do Hotel Urbano, olhando sempre destinos novos e que me parecessem interessantes. Eu sempre tive curiosidade em testar esse tipo de viagem, comprada barata e toda montada.

Amanhecendo o dia no pouso em El Calafate

Em setembro de 2017 eu estava dando aquela zapeada básica pelos pacotes e vi esse da Patagônia que me chamou mais atenção por ter nele cidades caras e “longes”, que sempre tem preços elevados de passagens e são destinos, digamos, mais sofisticados.

Estava sem nenhuma “grande” viagem em vista, sem saber como seriam as férias de 2018, achei o preço bem convidativo e resolvi fechar! Em poucos minutos eu conversei com o marido, ligamos para um casal de amigos, eles também toparam, compramos!

Começaram as experiências!

Quando se compra um pacote pelo Hotel Urbano, vem na descrição o período válido para viajar. No nosso caso era de março a novembro de 2018. No ato da compra você já tem que preencher com 3 possíveis datas para que eles escolham uma delas e assim seja marcada sua viagem.

Experiência 1: como vou saber a data que quero viajar, 7 meses antes da viagem?! Como vou saber se terei um casamento, um compromisso inadiável no trabalho, ou uma festa para ir?! O jeito foi evitar datas comemorativas, e arriscar 3 datas lá. Você só saberá a data certa 45 dias antes da viagem.

Experiência 2: Você não sabe a data exata até praticamente o mês da viagem! Isso para uma pessoa mega planejada como eu sou, foi uma tortura! Depois que indiquei as 3 datas meu lema mental foi: esqueça disso até o mês de abril, que seria o mês da viagem. Eu tinha 7 meses pela frente para não pensar em Argentina.

Ao todo foram 5 voos da Aerolineas Argentinas

Por volta de uns 40 dias antes da viagem ficamos sabendo nossas datas e horários de voos. Eles emitiram nossos bilhetes e reservas de hotéis e mandaram tudo pra mim com uma antecedência até razoável, coisa de uns 30 dias antes.

Começou aí a experiência 3: Você não escolhe seu hotel e nem seus horários de voos. Isso significou que tínhamos uns horários muitos loucos, 3 cidades pela frente, mais o voo de Brasília a Guarulhos que foi comprado a parte. Isso significou uma noite a mais na ida e outra na volta em Guarulhos pois nossos voos para Buenos Aires eram cedo demais na ida e tarde demais na volta.

Experiência 4: Não adiantou muita coisa o pacote ter sido tão barato mas não ter voo saindo de Brasília. Nos custou R$1.100 por casal esse extra de ida/volta + hotel na ida/volta por nossa conta. Faz as contas aí, o pacote já passou dos 6 mil reais (o casal). Desconsidere essas informações caso você more em São Paulo ou sua cidade esteja disponível na hora da compra do pacote. Não foi o caso de Brasília.

Bom, uma vez que já tínhamos datas e voos, comecei o roteiro a la JuTours e descobri que a pernoite em Buenos Aires era mais uma cilada do que um passeio em si. Essa parada foi apenas para as conexões dos voos da Aerolineas Argentinas e nada teve a ver com turismo na cidade.

Na ida, pousamos perto da hora do almoço mas tínhamos que sair do hotel às 3:00 da madrugada para conseguirmos pegar o voo para El Calafate na manhã seguinte. Ou seja, passamos uma tarde super corrida depois de deixar as malas na acomodação, basicamente só deu tempo de almoçarmos e depois uma volta a pé pela cidade.

Voltamos mais cedo ao hotel para descansar, já que em poucas horas teríamos novo voo, ainda de madrugada.

Bom Dia El Calafate

Na ida pra El Calafate, chegamos no aeroporto de Ezeiza às 4:00 e nosso voo decolava às 5:00 da manhã. Pegamos uma fila enoooorme no despacho de malas da Aerolineas Argentinas e mesmo eu falando com funcionários algumas vezes que nosso voo estava próximo, ficamos na fila por muito tempo e no final das contas, tivemos que, literalmente, correr para não perder o voo. Quem adivinha o que aconteceu agora? …. Não deu tempo de despachar nossas malas, que ficaram em Buenos Aires, enquanto nós voamos por mais de 3 horas até El Calafate. Quando pousamos por volta das 8:00 e nossas malas não apareceram, ficamos com aquelas caras de “puts, não acredito nisso”. Estava fazendo perto de zero grau e nossas roupas de frio estavam nas malas 🙁 … Fomos ao balcão da Aerolineas e ouvimos de um funcionário nada simpático que chegamos tarde demais no aeroporto! Assim, na cara dura! Eu disse a ele que nós chegamos com 1 hora de antecedência e que avisamos sobre nosso voo estar próximo. Claro que ele nem olhou pra mim enquanto eu falava (pausa para bufar! Alguns argentinos se mostraram bem difíceis, por falta de uma palavra melhor), anotou nossos números, detalhes de malas e contato do hotel e disse que até às 15:00 nossas malas teriam chegado a El Calafate. Rezamos juntos para que isso fosse verdade. E foi! Quando chegamos à noite no hotel, nossas malicas  já estavam nos aguardando. Gracias a Dios!

Nota para nosso hotel de El Calafate: Demos muita sorte aqui, ficamos no Hosteria Puerto San Julian. Não tivemos chance de escolher, por causa do pacote, mas correu tudo bem. Fomos muito bem recebidos e acolhidos. Hotel limpo, quentinho, arrumado e bem localizado. Só uma ressalva para o café da manhã sem ovos, super contramão para quem não come farinhas. No fim, eles improvisaram uns biscoitinhos sem glúten e foram atenciosos. Voltaria lá novamente!

Lago Argentino – Águas de derretimento das geleiras

3 dias depois, voo para Ushuaia por volta das 11:00 da manhã. Finalmente um ótimo horário! Bom para não madrugar no aeroporto e melhor ainda para não ficar vagando na vida até a hora de embarque, depois de ter dado a hora do check out. Assim, chegamos em Ushuaia numa hora ótima para um novo check in. Nossas malas chegaram junto com a gente desta vez, iê! Hotelzinho lindinho mas loooonge! Sim, muito longe! Para uma micro cidade como Ushuaia, a gente gastava mais de 10min de táxi cada vez que saíamos para ir ao centro. Custava uns 30 reais o táxi em cada ida/volta para a cidade. Como estávamos em 2 casais, ficou ok, mas se estivéssemos apenas nós, teria sido puxadinho esse preço. Ficamos hospedados no Hotel Costa Ushuaia. Ah, não tem Uber em Calafate e nem em Ushuaia. Experiência 5: Não escolher seu próprio hotel é um tiro no escuro! Esse hotel de Ushuaia foi se mostrando pior e pior com o passar dos dias. Logo na chegada não tinha água fria, ou queimávamos a mão na água escaldante ou ficávamos com mão sujas de aeroporto. Banho, nem no sonho. No dia seguinte, acabou o café (o café preto do café da manhã, esse mesmo!), no dia seguinte acabou o pão. Para sacramentar, queriam 50 dólares por casal para um late check out, que não pagamos, mesmo nosso voo sendo somente às 20:00, para Buenos Aires. Com isso, eles começaram a ligar no nosso quarto por volta das 9:50 avisando que se não saíssemos em 10 minutos, seriamos cobrados pelas horas extras. Um absurdo! Nunca vi tanta grosseria na minha vida. Fomos enxotados do hotel! Mesmo ele estando vazio, numa baixa temporada. Zero empatia e acolhimento. Espero nunca mais passar nem na porta desse hotel.

Geleira Upsala

Viagem chegando ao fim, passamos o dia de voar de voltar para Buenos Aires quicando de restaurante em restaurante. Por causa do voo não podíamos fazer passeios, o clima estava de chuva e muito frio, a cidade praticamente fecha depois do almoço (em outro post falarei sobre a cidade em si. Lá eles fazem a siesta) somado ao fato que aos domingos a cidade morre, tuuuudo fechado. Foi um dia muuuuuito longo até dar a hora de voltar pra BUE. Chegando novamente em Buenos Aires, fomos para o 4º hotel da viagem, guardaram o pior pro final. Um horror! Quarto sujo, sujooo de verdade. Cabelo, poeira, mosquito, cortinas mofadas e etc. Sem água quente, sem toalhas no banheiro… um festival de aberrações hoteleiras! De modo que encerramos nossa última noite na Argentina com uma experiência péssima e ainda no dia seguinte, nenhuma negociação para um late check out, mesmo a gente tendo feito check in à uma da madrugada! Queriam 40 dólares de cada quarto para mais algumas horas. Não pagamos, aliás, nem sei se ficaria lá mais horas, mesmo sem pagar. Deixamos as malas com eles e fomos almoçar com calma na cidade. Às 17:00 voltamos lá, pegamos nossas coisas e partimos rumo ao Aeroparque para o voo a Guarulhos às 19:30.

Experiência 6: A pernoite em Buenos Aires foi uma pausa forçada que nos custou uns 300 reais de transfers in e out do aeroporto, mais os descolamentos de Uber na cidade. Não valeu quase nada para turismo em si. Na chegada tínhamos um voo na madrugada seguinte e na saída, chegamos de madrugada ao hotel-fantasma, no dia seguinte não aguentamos ficar nada lá e saímos correndo pra passar o tempo livre até a hora do voo. Experiência 7: não tenha voos noturnos quando o check out do seu hotel for pela manhã, num hotel meia boca que não aceita negociação nenhuma, a não ser que você pague muito caro por isso.

Passada rápida em Buenos Aires

Moral da História:

O pacote custou barato mas nos engessou de tal modo que não acho que valeu a pena o preço final. Gastamos muito com táxis em Buenos Aires e não aproveitamos a capital quase nada. Eu teria ficado uns 3 dias lá para fazer tudo com calma.

Tivemos que pernoitar em GRU na ida/volta e ainda arcar com passagens de BSB/GRU/BSB. Os hotéis foram muito fracos, em geral. Apenas o de Calafate foi bom, mas ainda assim eu teria escolhido uma café da manhã melhor para começarmos o dia mais bem alimentados.

Valeu a pena?

Matematicamente, sim. Logisticamente, não. Os reais economizados não pagaram a canseira de aeroportos de madrugada, dias perdidos esperando hora do voo e escolhas duvidosas de hotéis.

Amanhecendo o dia em El Calafate

Dicas:

  1. Se seu pacote tiver mais de uma cidade a ser visitada, fique de olho na logística de hotéis/voos. A gente perdeu muito tempo com deslocamentos. Gerou um cansaço enorme.
  2. Se houver cidades como forma de conexão de voo, observe bem a troca de aeroportos, a pernoite e se vale a pena tal stress. Buenos Aires ficou no nem, nem visitamos, nem descansamos. Serviu apenas para um gasto extra e um cansaço a mais.
  3. Se seu pacote for apenas uma cidade, voos curtos ou sem conexões de pernoite, há muito mais chances de valer a pena. Analise antes!
  4. No meu caso, voos para Patagônia são muito caros. Então matematicamente valeu a pena por isso. Hoje, olhando apenas os voos, eu gastaria em torno de 6 mil só com as passagens. Esse foi o valor do pacote com hotel + hotel em GRU + passagem de GRU. Então analise com calma.

E a viagem em si?

Maravilhosa! A Patagônia Argentina é incrível! Paisagens de tirar o fôlego! Cenários surreais!!! Chorava, rezava, agradecia, sorria, tudo ao mesmo tempo.

Passeio pelos Rios de Hielo

Vimos tantas coisas lindas, geleiras, neve, lagos, praia, animais diferentes e aquela velha história: você nunca mais será o mesmo após uma viagem. Então no final das contas, sempre vale a pena! Ainda escreverei outros posts sobre cada cidade e sobre o destino em si.

É uma viagem barata?

Não. Apesar de termos economizado com a compra do pacote de viagem, a Argentina está em crise econômica, com sua moeda valendo pouco e coisas custando caro demais. No câmbio, 1 Real vale 5 Pesos Argentinos mas paga-se caro em tudo! Um café expresso custa a partir de 65 pesos, uma água de 2L custa 45 pesos no supermercado. Tudo está muito mais caro que habitualmente no Brasil. Até os vinhos argentinos estão caros e muitas vezes mais caros que os mesmos aqui no Brasil. Os passeios também são caríssimos e no final das contas, nossa vizinha Argentina está com valores fora da média esperada. O fato de ser 5 pesos para cada real não faz o preço das coisas custar pouco. Então, fiquem de olho! Faça as contas antes para que a viagem não saia cara demais!

As cores do Outono

Bom pessoal, essa foi minha primeira experiência com pacotes de viagens. Não digo que será a última, mas nas próximas vezes analisarei com muito mais calma antes de comprar. Muitas coisas tem de ser levadas em conta na hora de comprar uma viagem, ainda mais internacional, pagando muitas coisas em dolar.

Nota: Vale dizer que a empresa Hotel Urbano foi muito correta conosco. Todas as minhas dúvidas e solicitações foram prontamente atendidas. O 0800 deles funciona bem (apesar de demorado) e com relação a seriedade do pacote, não temos nada a reclamar. Tudo cumprido conforme o anunciado. 

Espero ter ajudado vocês a decidirem sobre pacotes do Hotel Urbano e outros semelhantes. Contem aqui para mim as experiências de vocês!

Um beijo e até a próxima!

 

15 Replies to “Pacote do Hotel Urbano vale a pena?”

  1. Ficou ótima sua descrição! Sempre tive vontade de comprar esses pacotes prontos, mas fica sempre na dúvida tbem. Sua descrição foi mto útil 😉

    1. Obrigada Omar! Apesar da viagem ter sido incrível, não consigo deixar as reflexões de lado! hehehe
      Valeu a pena mas sempre é bom analisar antes de comprar! Abraços a vocês e obrigada pela visita!

      1. Gostei muito de conhecer sobre a viagem, suas experiencias com certeza ajudarão muitos a fazerem viagens melhores
        👏👏👏👏

    1. Valeu sim muito a pena! Viagem linda e cenários perfeitos. A canseira dos deslocamentos nao fez a viagem pior. Mas serviu de aprendizado para as próximas.
      Obrigada pelo comentário e volte sempre aqui. Beijos!

Deixe uma resposta para Maria Helena Abdalla Dardis Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *