Vale a pena alugar um carro?

Olá pessoal! Quem aí ama alugar carro quando está viajando? Quem não abre mão da autonomia em viagens e sempre conta com um parceiro de 4 rodas para viver as experiências juntos? Ou você é daqueles que cata um mapa do transporte público e nem se lembra que existe a opção de alugar um carro?

Mesmo que você não seja assim tão fã de dirigir fora de casa, existem alguns destinos que não tem jeito, você precisa de um carro. A Europa, por exemplo, é um continente muito interligado por rodovias. É possível cruzar muitos países em uma só viagem de carro ou até mesmo conhecer o país inteiro de carro e deixar os voos apenas para chegar e partir do continente.

A exceção na Europa fica por conta das grandes capitais, como Londres, Roma, Paris, Madri e etc que possuem um trânsito pesadíssimo, estacionamentos caros e raros e um sistema de transporte público muito completo e aí você não sentirá falta de estar motorizado.

Falando em aluguel de carro, os Estados Unidos ocupam o topo da lista daqueles países que você merece estar motorizado! As cidades são enormes e espalhadas, as vias são largas, os estacionamentos são amplos e abundantes, as pistas são maravilhosas, os custos de aluguel e combustível são baixíssimos! Não nos faltam motivos para zanzar de carro para cima e pra baixo por lá.

Já estive em Miami, Orlando, Los Angeles e Las Vegas com carro alugado. Em todas essas cidades o conforto e a praticidade de andar de carro fizeram bastante diferença, não pensei duas vezes. Ah, e sem contar que é uma delícia dirigir aqueles carrões, que muitas vezes não temos a oportunidade de dirigir aqui no Brasil.

Nota: Não são todas as cidades americanas que eu aconselho dirigir. Em Nova Iorque por exemplo é completamente inviável. O trânsito é caótico, os estacionamentos são caros, o transporte público é excelente e te leva a todos os lugares rapidamente.

Então não se meta a dirigir por lá, além do alto custo, será bem demorado fazer os percursos. São Francisco também é outro exemplo de cidade que é melhor você aceitar que é turistão e se jogar nos Bondes que cortam a cidade por todo lado.

Masss, mesmo eu amando dirigir, andar de carro diferente e tudo o mais, às vezes não dá. São aqueles destinos que viagens de carro não vão ajudar muito (como o caso das grandes capitais europeias como já disse acima) e aí você pode aproveitar para andar mais relaxado, sem preocupar com Waze, mapas, direções e ainda pode beber uns vinhos aqui e ali sem preocupações. Foi o que fizemos no Canadá, quando viajamos para longe a gente optou por passeios com pacotes de hospedagem e transporte e, no dia a dia, usávamos o excelente transporte público de Vancouver.

Não sentimos vontade de dirigir e não nos fez falta. Na Nova Zelândia também não dirigimos, passamos apenas 7 dias lá com muitos passeios de trem e ônibus e alguns trechos internos de avião. Tínhamos pouco tempo na Ilha Sul, achamos que de carro seria uma viagem mais demorada, de uns 20 dias pelo menos, já que a Nova Zelândia é pequenina em tamanho e gigante em opções de turismo e lazer.

Então, avalie qual será o perfil da sua viagem. Você terá muito tempo? Você gostaria de visitar muitas cidades numa mesma viagem? Prefere curtir mais dias numa grande cidade? Coloque tudo isso na balança e veja se o carro seria uma mão na roda ou se acabaria te atrapalhando em vez de ajudar.

Se for dirigir, programe-se!

Uma dica, que já falei aqui nesse post também é, programe-se com antecedência! Se você já tem viagem marcada, já sabe seu próximo destino e gostaria de dirigir por lá, comece a pesquisar bem antes os valores de alugar o carro.

Quantas pessoas vão estar em seu grupo? Gostaria de dirigir um carro sedan, um carro esportivo ou uma mini-van? Poderia ter 6 pessoas com você, ou você poderia levar malas e malas em porta-malas gigantes. Aquele carrão esportivo, Camaro ou Mustang, está a alguns dólares de distância! hahaha… Existem muitas opções! Fique de olho em sites como decolar, skyscanner. Olhe em todos eles! Observe as proteções que precisam estar inclusas em sua locação para você ficar tranquilo. Escolha se terá condutor adicional, se precisará de assentos infantis… Evite opções de comprar tanque de combustível pré-pago, eles custam muito mais caro e, claro, abasteça o carro antes de devolvê-lo. Pesquise bem e com certeza você dirigirá carros excelentes, com ótimos custos e será uma viagem inesquecível!

Se preferir não dirigir…

Navegue entre os sites locais sobre transporte público. Descubra os valores de metrô e ônibus. Use e abuse do google maps para você se localizar, se programar, saber as distâncias dos pontos de interesse. Vale procurar operadoras locais de turismo para fazer os passeios pelas regiões. Os trens de longa distância também são uma boa pedida para esses casos.

O site getyourguide vende tickets de todos os tipos de atrações, lazer, gastronomia, turismo e tudo o mais. Vale a pena pesquisar mais sobre a cidade a ser visitada e aí você terá opções para todos os bolsos e gostos. É uma ótima forma de passear, sem precisar de carro alugado.

Dirigindo na Mão-Inglesa

Já que estou falando em carro alugado, vou contar uma das experiências mais fantásticas que alugar um carro me proporcionou: dirigir na mão inglesa! Alugamos carro na Austrália e, como dizia meu pai, dirigimos do lado errado. Hahah … Em Gold Coast nós o alugamos para fazer o passeio até Byron Bay e em Melbourne – tive um contratempo com a falta da PID, como eu contei nesse post –  locamos um carro para fazer o passeio dos Doze Apóstolos. Não vou negar que me deu muito frio na barriga e suor nas mãos. Eu precisei de alguns minutos sem falar com ninguém e com som do carro desligado para me concentrar melhor. Cada cruzamento de avenidas era uma aventura, até dei umas barbeiradas no começo, mas no final já estava curtindo bastante a novidade. É bem parecido com aprender a dirigir novamente, você tem que se ligar muito para não jogar o carro pro lado esquerdo porque você tende a se “acertar” na pista, como se você estivesse com o carro muito para direita, mas a verdade é que você está sentado do lado direito! rsrs…

A parte boa é que, pelo menos na Austrália, eles sabem que existem muitos imigrantes e visitantes do mundo inteiro e que na maior parte do mundo não se dirige desse lado, então eles sinalizam muito bem para você não errar e pegar a contra-mão sem querer. Placas de “keep left” (mantenha-se à esquerda) aparece o tempo todo e também marcações no asfalto para você não sair fora da sua mão na hora das curvas e cruzamentos. Fora o fato que a todo momento eu ligava o limpador do para-brisas em vez da seta e que mexer no ar condicionado ou som enquanto dirigia estava fora de cogitação, o resto deu tudo certo. Ah, preciso dizer que apenas dirigi carro automático, como também já sou acostumada a dirigir aqui no Brasil. Nem posso imaginar eu tentando passar marcha com a mão esquerda, ao mesmo tempo que teria que controlar a embreagem, ligar a seta certa e ainda conseguir sorrir pra foto! hahaha … Just impossible! As ultrapassagens e rotatórias (elas são no sentido horário, ou seja, ao contrário daqui!) também foram grandes desafios. Hahaha…

Os países mais conhecidos que dirigem na Mão Inglesa são: Austrália, Hong Kong, Índia, Indonésia, Irlanda, Japão, Nova Zelândia, Reino Unido, Singapura, Tailândia, entre outros. Na America do Sul apenas a Guiana e o Suriname dirigem na Mão Inglesa.

Uma Curiosidade

Pensem comigo, é confuso mas dá pra entender:

Motorista que senta do lado esquerdo = dirige do lado direito = Mão Francesa.

Motorista que senta do lado direito = dirige do lado esquerdo = Mão Inglesa.

Mas, há países que permitem o volante do lado “errado”. Isso se dá por causa de facilidades nas importações de veículos. Então países como Ilhas Virgens Americanas dirigem na Mão Inglesa mas importam carro dos Estados Unidos, ficando então com direção pela esquerda e motorista sentado do lado esquerdo do carro.

O oposto acontece com o Peru, Camboja, Mianmar, Rússia (no seu extremo leste), Coreia do Norte, entre outros países, que têm direção pela direita mas importam carros do Japão ou de países vizinhos com direção pela esquerda.

Alguém aí já teve essa experiência?! Deve ser muito engraçado estar dirigindo e de repente topar com um motorista sentado do lado oposto ao seu. Eu ia adorar ver isso ao vivo!

Curtiram saber mais sobre minhas andanças pelo mundo? Vão alugar carro na próxima viagem? Preferem a despreocupação de não precisar dirigir? Compartilhem esse post com quem está pensando em se aventurar por aí e até a próxima! Beijos!

 

 

3 Replies to “Vale a pena alugar um carro?”

  1. Eu amo alugar carro e faço isso sempre que viajo. Mas claro, concordo que tem que ser avaliada a necessidade e viabilidade.
    Aqui na Irlanda é não inglesa como vc comenta, mas já vi carro ao contrário. Isso se dá pq vc pode ir e vir de ferry da França e Portugal por exemplo. Imagino que seja mto difícil estar nesta situação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *